Papo de Mamãe

O que eu pensei que poderia fazer durante a quarentena…

Eu pensei que eu poderia tomar meu tempo, tirar proveito do meu filho durante este confinamento … Mas a realidade era muito diferente.

É certo que não esperávamos essa epidemia. Mas quando fomos informados sobre o confinamento, recebi as notícias, com um pouco de medo, por estar grávida, pela minha família e por ser tudo desconhecido, mas também e acima de tudo com um pequeno toque de alegria … Eu finalmente teria um pouco mais de tempo pra ficar mais com o Raphael. Nós, os pais oprimidos, ainda correndo por conta do trabalho, finalmente poderíamos curtir mais o momento em família, ja que estariamos todos na quarentena em casa.

A vida diária confinada … era bem diferente das minhas expectativas, porque, na realidade, eu realmente não tenho mais tempo para mim, nem para nós. Não há tempo para reorientar ou pensar sobre o significado mais profundo da minha vida, não. A correria passou a ser bem maior, trabalho, casa, filho, mesmo o Lau me ajudando, não estamos conseguindo dar conta de tudo…rs

Eu pensei que poderia acordar mais cedo fazer yoga todos os dias: mas, na realidade, eu não posso nem ir ao banheiro sem ser incomodado a cada 3 minutos pelo Raphael me procurando…rs. Então, 20 minutos para fazer a postura do guerreiro ou do cachorro de cabeça para baixo, nem ia rolar.

Eu esperava organizar as coisas da casa: mas a realidade é que desde o confinamento, está muito mais bagunçada do que antes … Minha sala tornou-se uma bagunça completa de brinquedos jogados para todos os lados , tem dias que é difícil conseguir andar com tantos brinquedos espalhados. Em resumo, eu não consigo organizar nada e, acima de tudo, passo o meu tempo guardando brinquedos e reorganizando os brinquedos.

Meus exercícios diários desta quarentena é passar o dia correndo para resolver as coisas do meu trabalho, e ao mesmo tempo, tenho que pensar em algo que mantenha o Raphael ocupado para conseguir responder aos meus e-mails profissionais e atender aos clientes, fazer o almoço, ás vezes fico sem fôlego de tanta coisas pra fazer, sem contar que a barriga por conta da gravidez está cada dia mais pesada, então a disposição já não é mais a mesma. Eu e o Lau estamos sobrecarregados com tanto trabalho, mas estamos tentando conciliar tudo de uma forma que seja positivo para o Raphaël. (mas confesso que até agora está tudo uma loucura…rs, dois pais malucos tentando fazer com que o filho não sinta tanta a falta da escola dos amiguinhos).

Tenho apenas um desejo: cair no sofá e não fazer nada ficar lá de boa lendo um bom livro, assistindo uma serie…

Eu esperava meditar e aprender a controlar minha respiração: mas aprendi principalmente a manter três conversas ao mesmo tempo, a bloquear a audição para não ouvir meu filho gritando o dia todo MAMÃE.

Em suma, eu vivo o mesmo confinamento que todos os pais! Coragem para nós!

Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.